domingo, 8 de abril de 2018

CASCAIS SEMPRE À FRENTE


Carlos Carreiras e Miguel Pinto Luz têm uma espécie de competição entre eles para ver quem é mais adiantado mental.
As boas ideias saltam para a praça pública aos borbotões e esta dupla é, de fato, imparável.
Os tipos que não os gramam estão, em bom português, lixados. Ou se rendem à dimensão cósmica destes dois iluminados ou o melhor é desistirem e emigrarem para um sítio onde só exista gente normal.
Como sabem Cascais criou o Mobicascais, sistema de transporte que revolucionou a mobilidade em Cascais.
Um conjunto assinalável de carrinhas e minibus a circular em Cascais, quase sempre transportando apenas o motorista.
Não serve para melhorar a mobilidade dos munícipes, que perante o preço praticado e os horários prefere continuar a usar viatura própria, mas serve para aumentar o número de viaturas nas ruas do concelho, serve para fazer uma campanha brutal de promoção do executivo municipal e serve para criar emprego ao nível da função motorista.
Perante o sucesso visível aos olhos de quase todos, eis que um upgrade é anunciado: Um autocarro autónomo a percorrer o circuito S. João do Estoril a Carcavelos.
Todos sabemos que diariamente há milhares de pessoas que indecisas quanto à praia que querem frequentar percorrem km entre S. João e Carcavelos para decidir onde é que vão pousar.
A partir deste ano vão poder fazer essa busca em autocarro sem motorista.
São dois ganhos, poupa-se em milhares de carros na marginal e poupa-se no motorista.
Quem é que tem ideias tão boas, quem é?

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

O PINTO FOI PROMOVIDO A LEBRE?



Miguel Pinto Luz aprendeu com Carlos Carreiras a postura arrogante, a prepotência, a atitude de sobranceria e má criação.

Do grupo que tomou de assalto Cascais, diga-se em abono da verdade de forma muito bem sucedida, era o inteligente, o único que parece ter aproveitado a licenciatura que fez.
Mas, como numa capoeira, os Pintos crescem e também querem ser galos.
É visível que o espaço disponível começa a ser curto para a convivência entre Carreiras e Pinto Luz.
O Pinto quis dar o salto e o grito de Ipiranga e tratou de ingressar no governo de Passos Coelho, aventura que durou 20 dias!
Sem outro poiso, lá teve que regressar a Cascais onde apenas tinha suspendido o mandato…
Mas Carreiras olha para Pinto Luz já não como um aliado mas como uma ameaça.

Ameaça de protagonismo e acima de tudo ameaça de ocupação do poder!
O que se tem passado nestas eleições internas do PSD são uma demonstração de que vamos, muito brevemente assistir a uma luta de vida ou de morte na capoeira de Cascais.
Enquanto Carreiras trata de recuar estrategicamente para a Câmara de Cascais abandonando o palco mediático da vida partidária a nível nacional, Pinto Luz lança-se de cabeça ou melhor dizendo, lançaram-no de cabeça.
Primeiro Relvas deixa escapar uma ideia, como quem não quer a coisa, que Miguel Pinto Luz poderia ser candidato à Presidência do PSD.
Os militantes do PSD a nível nacional quase esgotaram a capacidade dos servidores do Google, tal foi a pressão nas pesquisas que fizerem para tentarem perceber quem era este ilustre desconhecido, amigo de Relvas…
A “chuva de apoios” esteve em linha com a seca que se tem verificado em Portugal e, embora constrangido, lá avisou Pinto Luz que afinal não era candidato.
Amuado, já que não era candidato, resolveu escrever uma carta a Rui Rio.
Uma carta com condições que não teve consequências no Congresso do PSD.
Mas no Congresso ficou claro que Pinto Luz não passou de uma lebre, lançada à frente para marcar o território da linha Passista mais ortodoxa chefiada claramente por Montenegro.
Este protagonismo nacional é incompatível com o lugar ocupado no executivo de Cascais.
O Presidente afirma aos quatro ventos que não vai “atraiçoar” a Direção do Partido e o vice-presidente assume todo o protagonismo no ataque descabelado à Direção do Partido?
Afinal quem manda em quem?
Ficou claro que o Pinto foi promovido a lebre.
Chegará a galo?


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

VIDA DE “PENELEIRO”…

Procurei e não encontrei.
Não encontrei a definição de “Habitante de Penela”.
Parto do princípio que não será muito errado apelidar os habitantes de Penela de Peneleiros.
Não resisto a partilhar umas coisas que descobri por acaso mas que merecem ser comentadas.
Terão certamente conhecido a “publicidade paga” publicada no Jornal Expresso sobre a “Nova Cascais”.
Começa a dar efeitos o terceiro lugar na lista de vereação do PSD da filha do dono do jornal…
É pena que se tenha perdido o hábito de pensar nas coisas antes de abrir o bico.
É ainda maior pena haver uns tipos que gostam de falar daquilo que não conhecem, emitindo opiniões pseudo intelectuais que só servem para exibir ignorância da mais crua que se pode ver.
Lembram-se de um ex presidente da Câmara de Penela que chegou a Secretário de Estado da Administração Local no governo de Passos Coelho? Aquele que se demitiu por causa de uma notícia de acusação de prevaricação?
Bom, por um reles acaso tropecei numa notícia publicada no Diário das Beiras, aliás um artigo de opinião de Paulo Júlio, que demonstra o perigo que pode representar acreditar em tudo o que se publica nos jornais e acima de tudo ver apenas a embalagem sem analisar o conteúdo.
Paulo Júlio que queria dar uma lição aos restantes autarcas sobre o “como fazer” foi escolher logo o exemplo que estava na prateleira do “Como não fazer que dá asneira”.
Percebo que os “Peneleiros” não têm que conhecer Cascais nem como se faz “political wrestling” por estas paragens.
Foi de azar…
Cascais não é um bom exemplo nem de planeamento nem de prática política!
Oh Júlio, tens que aprender a escolher os exemplos e os referenciais!
Uma troupe gestora que aprova uma universidade em cima de uma nova urbanização, tudo a escoar para uma estrada marginal mais do que congestionada é exemplo de quê?
Uma câmara que promove a relocalização do Hospital inserido no casco velho da vila e que a seguir vai lá encafuar uma universidade e um novo hospital é exemplo de quê?
Uma câmara que vende a ideia de requalificação da entrada de Cascais sem mexer na única coisa que deveria ser requalificada que é o infernal nó da entrada da vila é exemplo de quê?
Carreiras e os outros dois “visionários” vão estragar o resto, continuando a fazer de conta que Cascais só conta numa linha imaginária até 1,5 km da linha de costa.
O desenvolvimento do interior do concelho, o reequilíbrio do território, isso nunca interessou e não é agora que vai passar a interessar.

Carreiras e companhia não percebe nada de planeamento do território mas tem uma especial vocação para a publicidade e o marketing, ao ponto de interessar os “peneleiros”…

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

CASCAIS MUDOU II

Cascais mudou.
Antigamente os munícipes de Cascais construíam a sua ideia sobre a gestão de Cascais nos mais diversos aspetos da vida do município e faziam o seu juízo de valor sobre o caráter positivo ou negativo das medidas tomadas.
No decurso do mandato ou nas eleições tratavam de dizer de sua justiça e confirmavam o voto ou mudavam em função desse juízo de valor construído com base nos fatos vividos.
Cascais mudou.
Hoje as pessoas de Cascais não precisam de avaliar o que se passa à sua volta porque Carreiras trata disso tudo.
Como têm apreciado, o dinheiro dos nossos impostos tem estado a ser profusamente gasto em publicidade que nos informa que Cascais mudou para melhor.
Se Carreiras o diz, deve ser verdade e todos devemos considerar isso mesmo.
Que ninguém se pergunte das razões porque mudou para melhor, pois pode vir a ser castigado.
Não se perguntem onde estão os estacionamentos novos, onde está a rede de transportes que serve as necessidades dos habitantes de Cascais e a sua ligação a Oeiras, Sintra ou Lisboa.
Não se perguntem o que mudou que tornou melhor as nossas vidas e fruto dessas extraordinárias alterações que permitiram alterar os nossos hábitos, as nossas rotinas, aumentando o conforto e a qualidade de vida com menores custos para o orçamento familiar.
Nos últimos dias tem-se falado muito no descongelamento de Carreiras. Se um já é o que é, imaginem mais uns quantos acabadinhos de descongelar…
Cascais mudou.
Antigamente a queixa era referente aos autocarros dos transportes públicos andarem a abarrotar. Hoje cruzamo-nos com os minibus da MobiCascais completamente vazios. Quer dizer, completamente, completamente não. Vai lá sempre um motorista…
Carreiras já providenciou um reforço na equipa dos Recursos Humanos do município com um conjunto de novos psicólogos para acompanharem os motoristas.
Há já um número elevado de motoristas que têm tido crises de ansiedade motivadas pela solidão em que vivem. Obrigar alguém a trabalhar sozinho sem ninguém com quem falar durante oito horas é quase desumano...

Mas Cascais mudou… A acreditar nos inúmeros cartazes distribuídos por Cascais…

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

E SE CASCAIS MUDAR?



Há quem controle pelas ideias.
Há quem controle pelo coração.
Há quem controle pela carteira.
Carlos Carreiras montou um esquema em Cascais assente nesta última forma de controlar.
Registe-se que tem tido alguma eficácia.
Aliás, a campanha eleitoral assenta nessa premissa; Cascais AVENÇA!
Os amigos do Partido, sejam eleitores em Cascais ou em outra qualquer secção do PSD no distrito de Lisboa, transformados em funcionários de empresas municipais e outras entidades controladas pela CMC, prestadores de serviços, empresas, tudo vai vivendo com a barriga encostada ao balcão do dinheirinho dos nossos impostos!
Contrapartida: Votar em Carreiras ou em quem ele indicar.
Não é nada mau!
Este processo teve uma enorme virtude que foi uma diminuição clara na taxa de desemprego registada em Cascais. Custou-nos (a nós Zés contribuintes) muito dinheiro mas foi bom para a estatística!
Mas o que será desta gente toda se Carreiras perder a maioria absoluta? É que nem é um problema de perder as eleições, bastará acabar a maioria absoluta para se acabar o regabofe na Câmara e nas empresas municipais!
O que será destes pobres coitados? Alguém já avaliou o problema social que isto poderá representar?
Miguel Pinto Luz parece que quer ir estudar outra vez e para o estrangeiro. Talvez para uma certa Universidade ligada à organização judaica que acaba de receber um terreno na Guia, não se sabe ainda bem!...
Mas e Nuno Piteira? Estará a Cruz Vermelha na disposição de o receber de volta? O que será de Nuno se não o deixarem brincar com o Facebook no seu próximo trabalho? Já viram bem a desgraça que se adivinha?
E Carlos Carreiras? Será que vai mesmo dedicar-se à criação de gado no Brasil? Ou vai montar e falir uma nova fábrica de cerveja agora para abstémios? Adivinham o drama?
E o administrador da Cascais Próxima cuja especialidade é a toxicodependência? Vai voltar aos programas de terapia?
E o administrador da Associação S. Francisco de Assis, João Salgado, vai voltar ao banco ou vai montar um negócio de passeador de cães?

E os candidatos às Juntas?
Nuno Alves, o único que não tinha lugar encostado ao orçamento, parece que escolheu mal o momento para iniciar carreira…
Já em Alcabideche, José Ribeiro que tem mantido umas avenças chorudas com a CMC se calhar a coisa vai esfriar…
Em Cascais, Pedro Morais Soares, se ficar sem a Junta vai viver de quê? E as vossas consciências convivem bem com estes dilemas?
E S. Domingos de Rana? Fernando Marques vai ficar à beira do abismo. Sem Junta e sem lugar de administrador do DNA vai viver de quê?
Podia continuar a desfiar Pedros Campilhos, Correa de Barros, Luís Capão e tantos outros que de repente vão ficar pendurados na estratosfera…mas o que importa é que tenhamos a noção da quantidade de vidas que o vosso voto pode tocar.
Eu sou a favor da verdade.
Por isso, dou-vos de conselho, (e irei praticar no domingo), com o vosso voto, embora aumentando um pouco o desemprego em Cascais, ponham estes tipos ao fresco!
Acreditem, vamos respirar melhor em Cascais a partir de segunda-feira!





quinta-feira, 20 de julho de 2017

MOBICASCAIS É JÁ UM SUCESSO!


Para os que não acreditavam na capacidade visionária de Carlos Carreiras e Pinto Luz fica a resposta: O Mobicascais é um sucesso!
Não há ainda um sistema de estacionamento adequado para descongestionar a circulação em Cascais ou na Parede ou para fazer interface com o comboio, continua a ser mais caro a “alternativa transporte público” para ir trabalhar para Lisboa do que levar o próprio carro, o horário de funcionamento do MobiCascais continua a ser muito limitado e pouco adaptado à vida real das pessoas que o poderiam utilizar, mas se Carlos Carreiras diz que é um sucesso nós temos que aceitar…
Toda a gente diz que os autocarros andam vazios, que em vez de se ter transformado numa poupança para o munícipe ainda o sobrecarrega com mais este dispêndio sem nexo nem utilidade para o município.
Fernando Marques, que não deixa os seus créditos por mãos alheias, é funcionário do DNA (empresa da CMC), organiza a Festa da Sardinha em S. Domingos de Rana, freguesia onde é candidato à Junta de Freguesia pela coligação VivaCascais, que por caso são os patrões dele na tal DNA e, embora possa parecer promíscuo, ou atividade eleitoral paga por todos os otários munícipes, encontrou a verdadeira utilidade para o autocarro que anda há uns meses a transportar o motorista do Leclerc à estação de Carcavelos e regresso.
O autocarro vai transportar a malta para a Festa da Sardinha!


terça-feira, 4 de julho de 2017

EM CARCAVELOS NEM FUMOS NEM CALDINHOS!


Carlos Carreiras tem uma capacidade de premonição política imensa.
Para acabar com o flagelo da droga em Carcavelos sem ter que ser ele a acabar com o Festival MUSA, Carreiras iniciou um programa de ocupação total do território de Carcavelos sul para colocar um ponto final no consumo de droga.
É um homem com visão!
Ao aprovar a urbanização sul de Carcavelos e ao colocar a Business School no único terreno alternativo para a realização do Festival resolveu de uma penada o problema!
Quem quiser fumar umas coisas para rir ou fazer um caldinho vá para Oeiras que é logo a seguir!

O que seria de Cascais sem um homem com estas capacidades de nos tirar aquilo que ainda podemos utilizar para rir!